sábado, março 27, 2010


quinta-feira, março 25, 2010

O pagador de impostos

A Honda lança no México o novo City. O sedan brasileiro, produzido na fábrica da Honda localizada em Sumaré - SP, chega ao mercado mexicano com apenas duas importantes diferenças: a primeira é a entrega mais equipamentos desde a versão de entrada e a segunda é o preço equivalente a menos da metade do cobrado no Brasil.
No México, todas as versões são equipadas com freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, airbag duplo, ar condicionado além dos vidros, travas e retrovisores elétricos. O motor é o mesmo que equipa a versão vendida no Brasil, ou seja, um 1.5 litro que entrega 116 cv de potência.
Por lá, a versão de entrada será oferecida por 197 mil pesos mexicanos, o que equivale a cerca de R$ 25.800. No Brasil, o City LX com câmbio manual (versão de entrada) que não conta com freios ABS, tem preço sugerido de R$ 56.210.
Mesmo lembrando que Brasil e México possuem um acordo comercial que isenta a cobrança de impostos de importação, fica a pergunta: Como é possível um carro fabricado no Brasil ser vendido, com lucro, por menos da metade do preço em outro país?
=======================================
Vai fundo brasileiro pagador de impostos!
Continuem vendo carnaval, futebol, novela e BBB. É o que os políticos querem.

Modo correcto


Desmatamento


segunda-feira, março 22, 2010

Teologia Moral da Manga


O velho caipira, com cara de amigo, que encontrei num Banco estava esperando para ser atendido. Ele ia abrir uma conta. Começo de um novo ano, novas perspectivas... E como não podia deixar de ser, também
começou ali um daqueles papos de fila de banco. Contas, décimo terceiro que desapareceu, problemas do Brasil, tsunami... Será que vai chover?

Mas em determinado momento a conversa tomou um rumo: "- Qual é então o maior problema do Brasil para ser resolvido? E aí o representante rural, nosso querido "Mazaropi da modernidade" falou com um tom sério demais para aquele dia: " - O Maior Problema do Brasil é que sobra muita manga!"
Tentei entender a teoria...Fez-se um silêncio e ele continuou: " – O senhor já viu como sobra manga hoje debaixo das árvores? Já percebeu como se desperdiça manga? "Sim... Creio que todos já percebemos
isto... Onde tem pé de manga, tem sobrado manga.” E Aí ele continuou: " Num país onde mendigo passa fome ao lado de um pé de manga, isso é um  absurdo! Num país que sobra manga tem pouca criança. Se tiver pouca criança as casas são vazias... Ou as crianças que tem já foram educadas para acreditar que só ice cream e jujuba são sobremesas gostosas”.
“Boa é criança que come manga e deixa escorrer o caldo na roupa... É sinal que a mãe vai lavar, vai dar bronca, vai se preocupar com o filho. Se for filho tem pai...
Se tiver pai e manga de sobremesa é por que a família é pobre... Se for pobre, o pai tem que ser trabalhador. Se for trabalhador tem que ser honesto. Se for honesto, sabe conversar. Se souber conversar, os filhos vão compreender que refeição feliz tem manga que é comida de criança pobre e que brinca e sobe em árvore... Se subir em árvore, é por que tem passarinho que canta e espaço para a árvore crescer e para fazer sombra. Se tiver sombra tem um banco de madeira para o pai chegar do trabalho e descansar...”.
“Quem descansa no banco, depois do trabalho, embaixo da árvore, na sombra, comendo manga é por que toca viola. E com certeza tá com o pé na grama. Quem pisa no chão e toca música tem casa feliz. Quem é feliz e canta com o violeiro, sabe amar. Quem ama, se dedica. Quem se dedica, ama, canta e come manga, tem coração simples. Quem tem coração assim, tem alegria. Quem tem alegria, não tem medo. Nada faltará porque é feliz”.
“Se come a manga, faz doce, faz suco e não deixa a manga sobrar. Se não sobra manga, tá todo mundo ocupado, de barriga cheia e feliz. Quem tá feliz não
reclama da vida em fila do banco... ".
Daí fez-se um silêncio... Muito mais que o padrão de vida, deve-se procurar a qualidade de vida.
Quer uma manga?…

Bar Academia

Gosto muito do bar que frequento pela diversidade de assuntos e problemas que por ali penduricalham. É um lugar cosmopolita e por lá pinta todo o tipo de figura. Aparece gente boa e gente ruim, mas sempre se acaba por proceder a uma seleção destes últimos ficando os ruins-bons junto com os bons-bons…
Normalmente cito o espaço com o nome de Academia, pois ali se costuma discutir muito literatura e a própria língua portuguesa. E a coisa atinge píncaros estratosféricos quando o Jô resolve abordar trechos de livros de Dostoievski e Balzac ou as teorias filosóficas de Kant e Descartes. E quem é Jô? --- Um coitado que teve uma oportunidade de estudo e preambula hoje pelos bares e esquinas com a muringa cheia de cocaína e cachaça. Claro que outras figurinhas carimbadas por lá aparecem e experts em outros ou nos mesmos temas.
Passam pela Academia, também, aqueles que impingem a sua opinião e não abrem mão dela, mesmo que a vaca tussa. Esses são intragáveis, mas mantem-se a filosofia de vida do laissez dire, laissez faire…
A última discussão na qual meti a colher, foi o uso dos pronomes e tudo começou com a aplicação “para mim fazer” ou “para eu fazer”. Como sôa mal usar “para mim fazer”, não é verdade? E tentar explicar o inexplicável aos tradicionais cabeças duras é obra. E é por essas e outras que mais tarde lá aparecem os reformadores ortográficos querendo colocar as suas invenções linguísticas como “ponhar” em vez de “pôr”, etc, e tal…
O emprego dos pronomes pessoais em português é questão que sempre provoca dúvidas. Existem pronomes que exercem a função de sujeito das orações e pronomes que exercem a função de complemento.  O que determina a escolha dos pronomes pessoais é a função sintática que eles exercem na oração. Em "para mim fazer" ou "para eu fazer", o problema é frequente e foi o mote na última sessão da Academia. Afinal, que função sintática exerce esse pronome ("eu" ou "mim")? Observe-se que não lhe cabe completar um verbo ou nome. Nesse tipo de construção, o pronome atua como sujeito do verbo que está no infinitivo. Usa-se, então, o pronome pessoal do caso reto. Assim: "Traga as medidas para eu fazer os cálculos", "Trarei as medidas para tu fazeres os cálculos", Trarão as medidas para nós fazermos os cálculos".
Muito e muito mais haveria para dissertar sobre o tema. Mas, se a coisa deslanchasse para a abordagem detalhada dos pronomes oblíquos tónicos, retos, como sujeito ou complemento em relação às preposições, ou ao emprego nas locuções com verbos causativos e sensitivos, os ânimos se exaltariam e não tardaria mais uma vez a polícia baixar no pedaço e mandar todo o mundo encostar na parede à procura do inexistente…
Esta rodada pago eu!

segunda-feira, março 08, 2010

Alma de Mulher

Nada mais contraditório do que ser mulher...
Mulher que pensa com o coração,
age pela emoção e vence pelo amor.
Que vive milhões de emoções num só dia
e transmite cada uma delas, num único olhar.
Que cobra de si a perfeição
e vive arrumando desculpas
para os erros daqueles a quem ama.
Que hospeda no ventre outras almas,
dá a luz e depois fica cega,
diante da beleza dos filhos que gerou.
Que dá as asas, ensina a voar
mas não quer ver partir os pássaros,
mesmo sabendo que eles não lhe pertencem.
Que se enfeita toda e perfuma o leito,
ainda que seu amor
nem perceba mais tais detalhes.
Que como uma feiticeira
transforma em luz e sorriso
as dores que sente na alma,
só pra ninguém notar.
E ainda tem que ser forte,
pra dar os ombros
para quem neles precise chorar.
Feliz do homem que por um dia
souber entender a Alma da Mulher!

Me mate um bode!…

As segundas feiras, actualmente e desde há alguns anos, são o meu dia de folga do trabalho. Por isso e só por isso, esse dia deveria ser sempre celebrado com satisfação. Porém, talvez pelo estado em que os agitos de domingo deixam os que trabalham e os que nada fazem, o dia acaba por ser um saco.
Tem ocasiões em que não só é um saco e passa a ser um pesadelo. É o caso de hoje.
Não é sempre que leio a íntegra do caderno de economia do jornal. É até muito raro fazê-lo, pois acho esse campo muito chato e tudo é repetitivo. A minha bronca já vem desde os bancos de Faculdade, mas aí não podia deixar de me interessar por assuntos inerentes, por força da situação…
Nos anos 80 adquiri, compulsòriamente, 3 mil ações quando da compra de três linhas telefónicas da Telesp. O telefone, bem de necessidade primária, era naquele tempo um luxo de difícil acesso. Assim, quando surgiu o grande plano de expansão, todo o mundo participou e eu habilitei-me logo a três linhas por força da ocupação profissional.
Em 1989 resolvi abandonar o Brasil e ir viver para Portugal. Vendi tudo o que tinha e desfiz-me, também de ações que possuía: Petrobrás, Gerdau e Telesp. Das duas primeiras me vim a arrepender porque são das mais valorizadas do Brasil e eu poderia mantê-las em meu poder independentemente de aqui viver ou não. Quanto às da Telesp, porque tudo virara lixo, jamais me preocupei e menos me arrependi.
O actual governo resolveu oxigenar a moribunda Telebrás com vista a expansão da banda larga no Brasil. José Dirceu, sempre imiscuído (…) alforjou mais uma quantia gorda e outros mais do mesmo calibre certamente disso usufruirão. Eu, se tivesse em meu poder essas 3 mil ações que não valiam nada, teria hoje 1.500.000 reais; um pouco mais de 800 mil dólares.

quarta-feira, março 03, 2010

Dois pra lá, dois pra cá…

Cheguei na data de aniversário e este ano coincidiu ter caducado a validade das minhas cartas de condução (portuguesa e brasileira). Sei que poderei dirigir por mais um mês além da data, mas está na hora de resolver essa renovação.
Saí da minha banca e fui em direção ao barzinho da esquina, coisa que faço todas as quartas, ou outros barzinhos que não ficam necessàriamente nas esquinas nos demais dias da semana. É uma verdadeira paixão, independentemente de ser a Meire a atendente do balcão…
Lá ía no meu caminhar e, a exemplo de outras vezes, sentia que a minha visão estava um pouco ofuscada, mas sem ver estrelinhas ou bolinhas. É quando penso que terei problemas quando fizer o exame médico de visão para a revalidação da carta e isso preocupa-me. Afinal, sou motorista profissional apto para todas as categorias e sinto plena capacidade no exercer da função.
Cheguei no bar, dei o meu bom dia à Meire e encostei-me ao balcão olhando o quanto a Natureza fez por aquele corpo magistral. Mas repentinamente senti que o balcão abanava e pensei que, não sendo tremor de terra, algo estava solto.
Alertei a Meire sobre o balcão. Ela veio perto de mim, mexeu, olhou para mim e disse: “Oh português! você, por acaso, não está sentindo tonturas?” --- Certifiquei-me que era isso mesmo. São oscilações na pressão originadas pela síndro-me de abstinência em relação ao cigarro. O organismo sente falta da nicotina e se manifesta. Creio que seja isso. Se não fôr, lá está o meu pedacinho de terra no Cemitério de Estremoz a aguardar ca minha volta definitiva…