segunda-feira, junho 17, 2013

Vai ou não vai...


sábado, junho 15, 2013

Brocha



Poeta vende testículos para viajar.
Este é o título de matéria publicada em alguns jornais mundiais e na Internet. Claro que, pelo inusitado da decisão,  é despertada a atenção de todos nós. Pô! O indivíduo desfazer-se de parte do órgão que a maioria dos homens acha ser a mais importante, é coisa séria...
Poeta, ele é. Colombiano a sua nacionalidade. O nome é Raffael Medina Brochero.
Diz necessitar de dinheiro para poder viajar para a Europa onde pretende divulgar o seu último livro "Poesia pela Paz". Quinze mil euros é o preço dos testículos que resolveu colocar à venda.
Sendo o indivíduo poeta, essa acção não se encaixa bem no seu perfil, a não ser que de poesia nada transpire pelos seus poros. Nada tenho contra os colombianos, até porque a maioria do povo da Colômbia é gente boa e sacrificada. Existe por lá uma parte podre que mexe com coisa errada e aí é possível que o personagem tenha andado a cheirar muita cocaína. Com "Brochero" no nome, temos aí o detalhe mais justificável para tudo isso. Fazendo jus ao nome, aqui no Brasil é "brocha", que em Portugal significa "farinheira", no sentido mais chulo das expressões... Então, ele não precisa da ferramenta...
Quando se lê que Brochero pretende divulgar o seu último livro, depreende-se que já tenha publicado mais algum ou alguns anteriormente. E olhem que ele também alega que a sua obra não é bem recebida na América do Sul. Até a aliança de casamento já vendeu para obter verba para a divulgação noutros países.
Acho que ele também é muito ruim de escrita.
Nada irá atiçar a minha curiosidade sobre o que escreveu e, por isso nada das publicações dele comprarei. Quanto ao resto, muito menos, apesar de ciente estar quanto às delícias dos petiscos feitos com testículos de boi, cavalo e carneiro...




domingo, junho 09, 2013

Filha da Mãe

Antes que me esqueça, já vou adiantando que escolhi para ilustração desta matéria, uma foto com o rosto mais bonitinho em relação a outras mais recentes em que a actriz está um verdadeiro caneco ou, como se diz lá na minha terra, um verdadeiro pente.
Jamais achei essa mulher bonita e muito menos gostosa, até porque nunca a comi e jamais comeria se tal de mim dependesse.
Betty Faria (a frescura dos dois "tt") para mim jamais foi uma actriz talentosa e de presença. Como nós, público, podemos exigir e criticar a actuação dos actores e actrizes que campeiam nos veículos culturais e de lazer, tenho todo o direito em exteriorizar o que penso.
Betty tem uma voz feia, meio fanhosa que chega a ser irritante. No aspecto coreográfico é muito artificial. Para o meu gosto refinadíssimo, no que diz respeito a mulheres, ela é feia como, aliás, já frisei mais atrás.
E qual a razão de num Domingo tranquilo, ensolarado, maravilhoso, eu estar de língua afiada a criticar negativamente uma actriz que até já está longe dos holofotes? ---- Exactamente por ela ter perdido uma preciosa chance de ficar calada e não vomitar asneiras quando, numa entrevista à colunista Mónica Bergamo, na Folha de S. Paulo de hoje, diz a determinada altura: "Já existem interessados em morar em Marte. Só espero que o povoamento por lá seja mais criterioso do que a colonização do Brasil. Pra cá, veio um bando de filhos da puta".
Como o sobrenome "Faria" é de origem portuguesa (acredito que seja proveniente do seu pai ou mãe e não tanto de marido, talvez...) e ao não ter referido a origem dos colonizadores a que se refere, depreendo que os seus ancestrais também foram colonizadores e filhos daquela mãe.
Cala a boca Betty!

sábado, junho 08, 2013

Convite ao Erro

Aos meus leitores eu pergunto se sabem o que representa a fotografia acima.
Os brasileiros sabem, pois creio que tenha isto em todo o país. Pelo menos tem na cidade de Campinas, aqui no Estado de São Paulo, uma das regiões mais violentas do Brasil, quiçá de toda a América latina.
Mais que uma sinalização de trânsito, é um aviso ao cidadão que dirige o seu carro, sobre situação de perigo eminente. Acontece que se o motorista parar o seu carro obedecendo ao sinal vermelho do semáforo, existe grande probabilidade de ser assaltado e até assassinado. Assim, depois das 19 horas, mesmo que o sinal esteja vermelho, o motorista pode passar sem parar, só tendo que tomar muita atenção às demais viaturas.
Em princípio o condutor não será multado pelos agentes de trânsito da Prefeitura que tem a seu cargo a gestão do trânsito. Não obstante, porque tal "sinalização" não consta do Código Nacional de Trânsito, um policial poderá autuar o cidadão...
Em todas as situações, a corda sempre estoura na parte mais fraca.

sexta-feira, junho 07, 2013

Esther Williams

A foto é a mesma e, naturalmente, todos repararam nisso. A diferença é que uma delas foi colorida artificialmente. Então temos que, para mim e em relação ao que escrevo, é válida a que está em preto e branco.
No final da década de 50 e a metade da de 60, eu era assíduo freguês dos cinemas de Évora que, afinal, pertenciam à mesma empresa. Porém, o que mais exibia filmes era o Salão Central.
Neste Salão Central havia nas suas paredes, posters de alguns artistas de cinema e o que mais sobressaía, até por estar junto à bilheteira, era exactamente este preto e branco de Esther Williams.
Ficou gravada na minha mente essa imagem e, passados que foram tantos anos, ainda continúa. Tinha a certeza que a conseguiria resgatar na Internet...
Esther Williams faleceu ontem aos 91 anos de idade. Acho que aproveitou bem a vida e parece ter morrido feliz durante o sono. Ainda bem que assim foi, pois que além da mente, também tinha um lugar no meu coração.
Às vezes fico pensando que já estou numa idade meio avançada e, quando desaparece mais uma das figuras que eram ídolos na minha juventude, logo fico com a pulga atrás da orelha...
Tudo bem. Espero ter saúde para poder aqui registar o passamento de outras dessas monumentais figuras que tão notóriamente fizeram parte de minha vida. E como fizeram...
Que Esther nade com a sua graciosidade nessas outras águas, bem mais tranquilas, onde agora deu o impulso final na prancha e mergulhou.
Paz à sua alma!