sexta-feira, outubro 31, 2008

quinta-feira, outubro 30, 2008

Feira do Livro de Porto Alegre

Naquele começo do ano de 1972 cheguei ao Brasil como imigrante junto com a esposa e os dois filhos. Sendo ela brasileira, radicámo-nos na casa de seus pais na cidade de Rio Grande e aí eu comecei a ser gaúcho sem deixar de ser alentejano.
Tempos difíceis como, aliás, o são para a maioria dos que deixam a sua Pátria em busca de melhores oportunidades e com a agravante de ter terminado o cumprimento de quatro anos de serviço militar obrigatório naqueles negros tempos. Aos 27 anos de idade, como a quase totalidade dos jovens portugueses, iniciava finalmente a minha vida profissional, independentemente de ter começado a trabalhar aos 15.
Apesar dos pesares, já tinha notória experiência com subsídios de variados ramos de actividade. Porém, aquele que hoje se denomina “Administração de Materiais” era o que mais se encaixava no meu perfil e até mesmo no período da guerra colonial foi a minha principal ocupação.
Consegui um primeiro emprego em Rio Grande como auxiliar de escritório numa agência de navegação; estava fora da minha especialidade, mas era o necessário primeiro e, entretanto, a busca por um melhor continuava. Assim, naquele mês de Outubro de 1972 fui chamado para uma entrevista em Porto Alegre, pois tinha respondido a um anúncio para Supervisor de Controle de Estoques numa grande multinacional do ramo de rações animais.
Cheguei à capital gaúcha na véspera da entrevista e a ansiedade e o nervosismo eram muito grandes. Mais ou menos tinha uma noção do que me esperava, mas temia que me fossem feitas algumas perguntas nas quais pudesse ter algum deslize. Não conhecia a cidade e hospedei-me na área central. Fui dar uma volta e deparei-me com uma grande e movimentada Feira do Livro como jamais vira igual.
Sou e sempre fui apaixonado por livros, se bem que nos dias de hoje eu traia essa paixão frequentemente... Corri aquela feira de ponta a ponta e, ao mesmo tempo em que me inteirava sobre as novidades, procurava em particular um livro técnico sobre o tema da entrevista. Encontrei! “Planejamento da Produção e Controle de Estoques” da autoria de John F. Magee. Naquela noite mergulhei nas suas 345 páginas. Para escrever esta matéria de hoje busquei-o na minha biblioteca e lá estão por mim manuscritas, na primeira página, as anotações que em todos coloco, como a data: 2 de Novembro de 1972.
Tudo isto eu estou recordando e escrevendo nesta minha página porque, hoje, tem início a 54ª Feira do Livro de Porto Alegre e que vai até ao próximo dia 16. É o maior evento da América Latina realizado ao ar livre e está confirmada para este ano a participação de 167 expositores nacionais e estrangeiros, com um orçamento de 2,4 milhões de reais. É considerada a maior do Brasil.
Visitei aquela que presumo ter sido a 18ª edição e nunca mais lá voltei. As minhas idas a Porto Alegre nunca coincidiram com a data do evento. Talvez eu esteja presente na próxima e, de antemão, faço uma promessa nesse sentido...

Buracos da minha rua

quarta-feira, outubro 29, 2008

Resposta...

Finalmente o Kassab respondeu à pergunta polêmica:
- Eu até queria casar, mas tive medo de pegar uma vagabunda que pudesse me trair com algum malandro argentino.

Notícias de Timor

Médicos retiram tumor de 3,3 kg de bebê timorense
Médicos neozelandeses removeram um tumor de 3,3 kg, o equivalente a um terço do peso de um bebê que corria risco de morte. A cirurgia, realizada em Willington no último final de semana, salvou a vida de Alex Gonzaga, 1 ano e dois meses, de Timor Leste, informa o jornal The Times.
Alex, que pesava 11 kg antes da cirurgia, se recupera bem e deve deixar o hospital na próxima semana, quando ele e a mãe, Elisa da Conceição, poderão voltar para casa.
O tumor foi identificado por um médico do Timor Leste, que alertou colegas americanos a bordo de um navio-hospital. Exames mostraram que a criança tinha um tumor que crescia rapidamente e empurrava para baixo seus rins, intestinos e outros órgãos vitais.
O menino foi submetido a uma avaliação do Rotary Oceania Medical Aid for Children (Romac), programa que presta assistência médica a crianças de países em desenvolvimento e que custeou sua viagem à Nova Zelândia para ser operado.

Comércio informal

A dúvida reside em saber se o cigano está mais adiantado na Europa, ou se aqui no Brasil já nem precisamos dessa tabuleta !?...

segunda-feira, outubro 27, 2008

Tempos difíceis...

O Porto já não tem dinheiro para pagar às prostitutas para subornar os árbitros. . . então , há que recorrer aos próprios jogadores.

Receita de pobre

Maravilhas portuguesas

"Maravilhas portuguesas espalhadas pelo mundo"
Este era o título de um pps que recebi hoje de um amigo na minha caixa de e-mail. De entre os muitos outros, selecionei-o para encaminhamento aos demais amigos virtuais e reais como normalmente faço. De modo algum iria perder essa oportunidade de expressar o orgulho que tenho dos meus antepassados. Cheguei até a tirar uma casquinha e colocar como apêndice uma pequena mensagem irónica e bem humorada: "Esses gajos, meus antepassados, como não tinham mais nada que fazer, andavam por aqui, por ali, por além, fazendo das suas..."
O pps em questão exaltava o feito dos portugueses focando imagens de muitas das suas construções que ainda hoje são vestígios da sua passagem, cultura e domínio nos cinco continentes. O mais curioso e marcante é que quase todas essas digitais são consideradas Património da Humanidade pela UNESCO...
Algumas horas mais tarde recebi um e-mail de um especial amigo e conterrâneo acusando o recebimento com o seguinte comentário:
-- "Mas não foram os nossos antepassados. Fomos nós.... Nós demos o seguimento normal à NOSSA HISTÓRIA (lutamos até pela nossa Pátria ) e temos a infelicidade de assistir à destruição, com tentativa de sonegação desta mesma História, feita por meia dúzia de mariconços e cobardes armados em intelectuais libertadores do Mundo...
Tal como a Holanda e a Inglaterra sempre tentaram ocupar as nossas possessões, também a URSS, a USA e mais tarde a China, quiseram a sua parte no bolo português... Ah! mas as mentalidades mudaram... Certo!?... E nós adaptamos-nos. Mas... Portugal foi o que foi e tenho orgulho de ser PORTUGUÊS...
Só espero que a História reponha sempre a verdade... Pois eu fiz a minha obrigação...
Com um grande abraço alentejano."
Para o meu especial amigo Manuel Ramos retribuo o grande abraço dizendo fazer minhas as suas palavras, pois comungo os mesmos sentimentos e exponho as mesmas cicatrizes com orgulho.

Estatísticas

quinta-feira, outubro 23, 2008

Moçambique

Um velhote de Nacala está na varanda de casa com um amigo, quando um menino passa por ali. Ele chama:
- Diploma, vai falar para sua avó trazer uma cafézinho aqui para a visita!
E o amigo estranha:
- Mas que nome engraçado tem esse menino! É seu parente?
- É meu neto ! Eu chamo ele assim porque mandei minha filha estudar em Maputo e ela voltou com ele ...

quarta-feira, outubro 22, 2008

Argentina e Brasil

O presidente da empresa produtora de camisinhas na Argentina liga para o dirigente de empresa similar, sua concorrente no Brasil, apavorado:
-"Nossa maior fábrica de camisinhas pegou fogo! E essa é a forma preferida de controle de natalidade do povo argentino. É um desastre!"
- "Nossa empresa pode ajudá-lo no que for possível" -- responde o brasileiro.
- "Sim, estou precisando de sua ajuda. Você pode me enviar, urgentemente, um milhão de camisinhas? Pela nossa amizade ?! Pelo Mercosul ?!"
- "Certamente! Fique tranquilo, que eu vou cuidar disso agora!"
- "Ah, mais um favorzinho..."
- "Pois não!"
- "As camisinhas precisam ter elasticidade para 21cm de comprimento e 10cm de diâmetro... Pode ser?"
- 'Sem problemas' -- confirma o brasileiro.
Imediatamente, chama o Diretor de Produção e diz:
-" Precisamos enviar, com urgência, um milhão de camisinhas para a Argentina!"
- "Tudo bem, poderemos providenciar de imediato."-- responde o Diretor.
- "Ótimo! Só que elas precisam ter elasticidade para 21cm de comprimento e 10cm de diâmetro... Pode ser?"
- "Pode deixar! Algo mais, Sr. ?"
- "Sim, mande imprimir, em cada uma: MADE IN BRAZIL - TAMANHO 'P'."

terça-feira, outubro 21, 2008

Eloá --- este não era seu mundo

Mais de uma semana absorvendo a massificação de notícias, comentários e debates sobre o sequestro e morte da mocinha Eloá, cheguei a um ponto de não suportar mais e acredito que não estou só nesse meu comportamento natural. Porém, tenho a certeza que muito pano para mangas tudo isso ainda vai dar. Não só pelo facto em si, com desdobramentos judiciais, mas por muitas novidades que surgirão. Eis a notícia de hoje:
Agência Estado - Em meio ao drama do seqüestro de Eloá Cristina Pimentel, a Polícia Civil de Alagoas acredita ter encontrado um foragido acusado de participar do assassinato do delegado Ricardo Lessa, irmão do ex-governador Ronaldo Lessa: o fugitivo seria o pai da adolescente.
Não comentarei nada a respeito disto nem de outras "fofocas" que rolam por aí, no que tange à família e relacionamentos. Aguardemos o desenlace de tudo...

Se liga, mano!

Eli, Darcy ou Darci, Dirlei e muitos outros nomes, são comuns de dois, principalmente aqui no Brasil. Na minha opinião isso não deveria acontecer pois que, como dizia o filósofo, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa... E, além desse, há outros inconvenientes. Porém, não é a minha intenção nesta crónica de hoje debruçar-me sobre os nomes com que muitos são registados e os grandes descalabros que aí ocorrem, deixando isso, talvez, para outra oportunidade.
Até concordo que não seja muito comum os homens da minha idade frequentarem as páginas de relacionamento da internet; a maioria nem acesso tem a estes modernos meios de comunicação, por desinteresse ou preguiça em se familiarizar com técnicas e termos inerentes. Todavia, eu faço parte da minoria e chego a queimar as pestanas olhando para a telinha do meu computador... E, como não poderia deixar e ser, além de participar das páginas referidas, mantenho até comunidades.
Numa das páginas em que participo tenho 200 amigos e amigas e, pessoalmente, conheço 10%; os 90% restantes são virtuais. No rol dos estritamente virtuais destacam-se alguns poucos em que o contacto é assíduo, mercê de uma maior simpatia ou entrosamento de ideias e deles acabo por ter algum conhecimento mais íntimo. Quanto aos demais, há o dia do aniversário (lá anotado e relembrado) em que envio a minha mensagem de parabéns. É físicamente impossível estar em contacto constante com todos e, de muitos, acabo por perder as referências iniciais.
Ontem, na minha página inicial de um desses sites, tinha um alerta sobre novas fotos postadas por um dos meus contactos na sua página pessoal. Despertou-me a atenção a beleza da moça e cliquei numa das fotos para poder conectar-me e ver tudo em detalhes. O nome é um daqueles comuns aos dois sexos e, para mim, estava entrando na página de uma amiga e não de um amigo.
Não resisti a deixar comentários em duas das fotos e só não os temperei com um pouco daquela malícia galante porque me apercebi da presença do que deduzi ser o marido ou namorado. E ainda bem que me expressei de uma forma um tanto ou quanto técnica que não deu azo a complicadas interpretações...
Hoje recebi um recado de agradecimento pelos comentários, com um aditamento exclamatório referente à longa ausência, por parte do meu amigo homem que eu pensei ser mulher...

segunda-feira, outubro 20, 2008

O calor do Inferno

Pergunta feita por um professor, da matéria Termodinâmica, no curso de Engenharia Química da FAETEC em sua prova final.
Este professor é conhecido por fazer perguntas do tipo 'Por que os aviões voam?' Nos últimos exames, sua única questão nesta prova para a turma foi:
- 'O inferno é exotérmico ou endotérmico? Justifique sua resposta'
Vários alunos justificaram suas opiniões baseados na Lei de Boyle ou em alguma variante da mesma. Um aluno, entretanto, escreveu o seguinte:
- 'Primeiramente, postulemos que o inferno exista e que esse é o lugar para onde vão algumas almas.
Agora postulemos que as almas existem; assim elas devem ter alguma massa e ocupam algum volume. Então um conjunto de almas também tem massa e também ocupa um certo volume. Assim, a que taxa as almas estão se movendo para fora e a que taxa elas estão se movendo para dentro do inferno?
Podemos assumir seguramente que, uma vez que certa alma entra no inferno, ela nunca mais sai de lá. Logo, não há almas saindo.
Para as almas que entram no inferno, vamos dar uma olhada nas diferentes religiões que existem no mundo e no que pregam algumas delas hoje em dia.
Algumas dessas religiões pregam que se você não pertencer à mesma; você vai para o inferno...
Se você descumprir algum dos 10 mandamentos ou se desagradar a Deus, você vai para o inferno.
Como há mais de uma religião desse tipo e as pessoas não possuem duas religiões, podemos projetar que todas as almas vão para o inferno.
A experiência mostra que poucos acatam os mandamentos.
Com as taxas de natalidade e mortalidade do jeito que estão, podemos esperar um crescimento exponencial das almas no inferno. Agora vamos olhar a taxa de mudança de volume no inferno.
A Lei de Boyle diz que para a temperatura e a pressão no inferno serem as mesmas, a relação entre a massa das almas e o volume do inferno deve ser constante. Existem, então, duas opções:
1) Se o inferno se expandir numa taxa menor do que a taxa com que as almas entram, então a temperatura e a pressão no inferno vão aumentar até ele explodir, portanto EXOTÉRMICO.
2) Se o inferno estiver se expandindo numa taxa maior do que a entrada de almas , então a temperatura e a pressão irão baixar até que o inferno se congele, portanto ENDOTÉRMICO. Se nós aceitarmos o que a menina mais gostosa da FAETEC me disse no primeiro ano: 'Só irei pra cama com você no dia que o inferno congelar' e, levando-se em conta que ainda não obtive sucesso na tentativa de ter relações amorosas com ela, então a opção 2 não é verdadeira.
Por isso, o inferno é exotérmico.'
O aluno tirou o único 10 da turma (nota máxima).
CONCLUSÕES:
1) 'A mente que se abre a uma nova idéia jamais volta ao seu tamanho original.' (Albert Einstein)
2) 'A imaginação é muito mais importante que o conhecimento.'(Albert Einstein)
3) 'Um raciocínio lógico leva você de A a B. Imaginação leva você a qualquer lugar que você quiser.' (Albert. Einstein)

sexta-feira, outubro 17, 2008

Magalhães

Vamos ter que reescrever a história que nos foi ensinada nos bancos escolares. Afinal, Sebastião del Cano não assumiu o comando da esquadra por morte de Magalhães. Magalhães está aí!

Racismo

No Registo Civil, um angolano residente em Portugal quer registar o seu filho recém-nascido:
- Bô dia! Eu quer registrar meu minino que nasceu otem.
- Muito bem. O seu filho nasceu ontem, é do sexo masculino... e qual é o nome?
- Marmequer Bicicreta.
- Desculpe! Quer chamar ao seu filho Malmequer Bicicleta?
- É.
- Desculpe, mas não posso aceitar esse nome.
- Não pode, porque tu é racista! Si meu minino fosse branco, tu punha.
- Não tem nada a ver com racismo. Esse não é um nome admitido em Portugal.
- Tu é racista. Si meu minino fosse branco, tu punha esse nome a ele.Tu não põe, porque meu minino é preto.
- Já lhe disse que não tem nada a ver com racismo. Malmequer Bicicleta não é nome de gente.
- Ai não! Então porque é que tu tem uma branca chamada Rosa Mota?

quinta-feira, outubro 16, 2008

Far West

Notícias fresquinhas dão-nos conta de confronto entre a polícia civil e a militar nas cercanias do Palácio do Governo Paulista. Existem feridos, pelo menos. A Polícia Civil está em greve há um mês, exigindo melhores salários.
Existem três coisas erradas aqui:
1 - As polícias jamais deveriam poderíam fazer greve nesses moldes, uma vez que a população fica ainda mais desprotegida perante a bandidagem e de mãos atadas na procura de serviços essenciais como o registro de ocorrências;
2 - Numa situação de greve, uma vez que os serviços não são prestados, também esses policiais não poderíam continuar armados;
3 - A existência de duas polícias estaduais é inadmissível e há muito tempo esse assunto já deveria ter tido um ponto final.
Expostos esses três pontos, debruçar-me-ei mais detalhadamente sobre o último com a minha opinião pessoal que, aliás, é opinião de uma grande maioria. As duas polícias jamais se entenderam e, na verdade, nutrem uma espécie de ódio uma pela outra e uma consequente falta de respeito mútuo.
Dizer que uma é melhor que a outra, seria burrice. Nas duas existem núcleos de alta corrupção. Assim, urgentemente se deveríam extinguir as duas polícias de segurança pública com a criação de uma única. Esta tería um comando único por parte do Exército.
Lògicamente que, a exemplo de outros países, essa nova polícia tería funções distintas no seu organograma, como a prevenção, intervenção e investigação. Ponto muito importante, também, seria o pagamento de salários justos.

quarta-feira, outubro 15, 2008

Resposta brilhante...

Millôr Fernandes lançou um desafio através de uma pergunta:
"Qual a diferença entre Político e Ladrão?"
Chamou a atenção a resposta de um leitor:
Caro Millôr, após longa pesquisa cheguei a esta conclusão: a diferença entre o ladrão e o político é que um eu escolho, o outro me escolhe. Estou certo? Fábio Viltrakis, Santos-SP.
Eis a réplica do Millôr:
Puxa, Viltrakis, você é um gênio... Foi o único que conseguiu achar uma diferença! Parabéns!!!

terça-feira, outubro 14, 2008

Bacalhau --- o fiel amigo

O bacalhau cresce de forma rápida e reproduz-se – entre Janeiro e Abril -- também rapidamente, já que cada fêmea põe, por ano entre 4 a 6 milhões de ovos. Contudo, só cerca de 1% sobrevive e chega à fase adulta. Aos dois anos o bacalhau já tem 50 cm. Vive perto de 20 anos altura em que atinge 1,5m e chega a pesar 50 Kg. É um peixe estenoterno, o que significa que só pode viver a determinadas temperaturas – frias – pelo que anda em constante rodopio entre a Noruega, Terra Nova, Islândia, Canadá e Alaska. Os primeiros comerciantes deste peixe foram os Bascos, em redor do ano 1000. Já conhecedores do sal comercializavam o peixe curado, salgado e seco, o que era feito nas próprias rochas, ao ar livre, portanto. Mas terão sido os Vikings os primeiros a usá-lo na alimentação. Desconhecedores do sal, secavam o peixe em tábuas de madeira até que perdesse a quinta parte do seu peso. Depois era cortado em cubos que eram guardados para a alimentação.
Os Portugueses são os maiores consumidores de bacalhau do mundo. Contudo, só a partir do século XV o peixe entra na dieta em Portugal, durante o período das Descobertas. Em 1497 os primeiros exemplares são trazidos da Terra Nova. Em 1508 o bacalhau já representava 10% da alimentação nacional. O Rei D. Manuel I, grande apreciador de bacalhau, criou um imposto sobre a pesca do bacalhau, o chamado “Dízimo da pescaria”.
Este imposto destinava-se a patrocinar expedições para a pesca do bacalhau. As primeiras frotas pesqueiras de bacalhau eram pertença do Reino e só em meados do século XIX, altura em que o imposto sobre a pescaria foi abolido, se autorizou a que particulares se dedicassem, de igual modo, a este negócio. As primeiras embarcações privadas eram à vela, feitas de madeira e a pesca fazia-se à linha. Os homens do mar chegavam a trabalhar 20 horas por dia. O bacalhau foi uma revolução na alimentação, já que na altura em que começou a ser usado os alimentos estragavam-se pelas precárias condições de conservação. A salga e a seca do bacalhau, além de garantirem assim a sua conservação, apuravam o seu gosto. A disputa entre os países foi tanta, que o peixe esteve na origem de duas guerras, a primeira em 1532 entre a Inglaterra e a Alemanha e, a segunda em 1585 entre a Inglaterra e a Espanha. Actualmente Portugal importa cerca de 90% do bacalhau que consome, grande parte dele já salgado e seco. O bacalhau salgado e seco é dos alimentos mais completos, já que conserva toda a qualidade do peixe fresco. Rico em minerais vitaminas e proteínas, apresenta uma taxa de gorduras de apenas 1gr./ 100 gr. de peso.
Para além do mais, comido da forma mais simples – cozido – é de fácil digestão. Quando há necessidade de o temperar à mesa, tal deve ser feito com azeite português, virgem, com um grau de acidez nunca inferior a 1º.
Já Eça de Queiroz escrevia que um bom tinto “é um casamento feliz com o bacalhau pela acção do tipo de sabores frutados do vinho o que dá uma sensação gustativa indirecta da doçura que ameniza o gosto oposto salgado do bacalhau”.
O vinho alentejano, por mais encorpado, é o ideal para se acompanhar o peixe.
José Luis Gomes de Sá Junior foi, a certa altura cozinheiro no Restaurante Lisbonense. Aí criou a sua célebre receita, servida pela primeira vez em 1914. Viria a morrer em 1926.
José Valentim, mais conhecido pelo Zé do Pipo, viveu no Porto onde era dono do restaurante com o mesmo nome. A si se lhe deve a confecção do seu prato em que as postas de bacalhau eram cobertas por maionese e depois levadas ao forno a gratinar.
Nos últimos 20 anos, contudo, assistiu-se a uma pesca excessiva do bacalhau, o que motivou que os cardumes fossem substancialmente reduzidos. A modernização da indústria pesqueira não foi alheia a este facto.
O bacalhau tornou-se assim uma espécie em via de extinção o que motivou já que a Comissão Europeia reduzisse drásticamente as quotas de pesca do mesmo, já a partir de 2006. Portanto, se gostam de bacalhau apreciem-no enquanto ele ainda está disponível...

Candidata...

Serve até o voto de manequim...

Crise e Consumismo

2009 será O ANO DO CONSUMISMO
ALEGRE-SE!
Segundo um dos mais renomados especialistas em economia e tendências do consumidor da Argentina, devido à atual crise econômica e financeira mundial, 2009 será o ano do...
C O N S U M I S M O
pois você terá que ficar (em bom castelhano) : CON SU MISMO CARRO
CON SU MISMO SALÁRIO
CON SU MISMO IMÓVEL
CON SU MISMO VESTUARIO
CON SU MISMO PAR DE SAPATOS
E, SE DEUS QUISER...CON SU MISMO TRABALHO!

segunda-feira, outubro 13, 2008

Horário de Verão

O horário de Verão no Brasil vai começar à zero hora de 19 de outubro de 2008 (domingo) e vai até às 24h de 14 de fevereiro de 2009 (sábado). Os relógios serão adiantados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

sábado, outubro 11, 2008

Luto...

A mulher avisou ao marido que agora só ía dormir de calcinha preta.
O marido:
- Calcinha preta ???
Ela: - Lógico , pinto morto, perereca de luto !!!

quinta-feira, outubro 09, 2008

Alentejo em pinceladas

"Estremoz" - Aguarela de Alberto Sousa

Diário de um cão

1ª semana:- Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!
1º mês:- Minha mamãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!2 meses:- Hoje me separaram de minha mamãe. Ela estava muito inquieta e, com seu olhar, disse-me adeus. Espero que a minha nova "família humana" cuide tão bem de mim como ela o fez.
4 meses:- Cresci rápido; tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para mim são como “irmãozinhos”. Somos muito brincalhões, eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.
5 meses:- Hoje me deram uma bronca. Minha dona me bateu porque fiz "pipi" dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo. Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para aguentar.
8 meses:- Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido... Acho que a minha família humana me ama e me consente muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida. Nunca me educam.Deve ser correto tudo o que faço!
12 meses:- Hoje completo um ano. Sou um cão adulto.Meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim!
13 meses:- Hoje me acorrentaram e fico quase sem poder movimentar-me até onde tem um raio de sol ou quando quero alguma sombra.Dizem que vão me observar e que sou um ingrato. Não compreendo nada do que está acontecendo.
15 meses:- Já nada é igual... Moro na varanda. Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que tenho fome e sede.Quando chove, não tenho teto que me abrigue...
16 meses:- Hoje me desceram da varanda. Estou certo de que minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. Meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear em sua companhia! … … Nos direcionamos para a rodovia e, de repente, pararam o automóvel.Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos nosso dia no campo.Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. "Ouçam, Esperem!" lati... se esqueceram de mim... Corri atrás do carro com todas as minhas forças.Minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego e eles não paravam. Haviam me esquecido.
17 meses:- Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu lhes agradeço com o meu olhar, desde o fundo de minh'alma. Eu gostaria que me adotassem: seria leal como ninguém!Mas somente dizem: "pobre cãozinho, deve ter-se perdido."
18 meses:- Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como meus "irmãozinhos". Aproximei-me e um grupo deles, rindo, me jogou uma chuva de pedras "para ver quem tinha melhor pontaria". Uma dessas pedras feriu-me o olho e desde então, não enxergo com ele.
19 meses:- Parece mentira !?! Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas me mostram a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra. 20 meses:- Quase não posso mover-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um me jogou! Eu estava no lugar seguro chamado "calçada", mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me. Quisera que me tivesse matado! Mas só me deslocou as cadeiras! A dor é terrível! … … Minhas patas traseiras não me obedecem e, com dificuldade, arrastei-me até a relva, na beira do caminho.. Faz dez dias que estou embaixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal; fiquei num lugar úmido e parece que até o meu pelo esta caindo... Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: "não chegue perto!!". Já estou quase inconsciente. Mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz me fez reagir. "Pobre cãozinho, olha como te deixaram", dizia... Junto com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: "Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio". É melhor que pare de sofrer". A gentil dama, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou.Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injeção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria...