sexta-feira, julho 20, 2018

Aeroportos


Do aeroporto de Stansted ou de Luton ao centro de Londres, a demora é de 2:30.


O presidente da Conf. De Turismo de Portugal diz que perdemos um milhão de turistas por ano devido a problemas de capacidade do aeroporto da Portela.
A base do Montijo só vai estar pronta, na melhor das hipóteses, daqui a 4 anos.
Beja, a 1:45 de Lisboa, tem um aeroporto a funcionar  e sem investimento adicional. 
Não há tempo a perder. Isto não é privilegiar o interior. É privilegiar o bom senso e o país.

Aeroporto Internacional de Beja


Maior avião do mundo aterra em Beja na estreia em Portugal
A portuguesa Hi Fly adquiriu recentemente um gigante da Airbus, o A380. O primeiro aeroporto português a recebê-lo será Beja, já na próxima semana, mais exatamente dia 23 de Julho.
A portuguesa Hi Fly dedica-se a "emprestar" aviões (wet lease) e reforçou recentemente a frota com dois gigantes da Airbus, do modelo A380. Um estará em Beja, apurou o Negócios. O aeroporto alentejano vai ser desta forma o primeiro em território nacional a receber a aeronave, que é considerado o maior avião de passageiros do mundo.
A Hi Fly está esta sexta-feira com o A380 em Farnborough, no Reino Unido, no âmbito de um evento de referência para a aviação, o Farnborough Air Show. A companhia vê nesta presença uma "oportunidade para apresentar a mais recente aquisição à indústria".
No passado dia 6 de Julho, a Hi Fly tornou-se a quarta companhia europeia, depois da Lufthansa, Air France e British Arways, a incluir um A380 na sua frota, avançou na altura o Correio da Manhã. Em âmbito global, é a 14.ª a operar a aeronave, e a primeira a fazê-lo em regime de wet lease. A aquisição, cujo montante envolvido não foi revelado, realizou-se através da subsidiária da Hi Fly em Malta.
O A380 da Hi Fly tem uma capacidade para 471 passageiros distribuídos por três classes. No piso principal há espaço para 12 lugares de primeira classe e 311 de classe económica. Já o piso superior terá 60 lugares de classe executiva e 88 de económica. Numa configuração de alta densidade, este avião poderá transportar até 853 passageiros. O avião tem ainda a particularidade de estar decorado com uma "mensagem" que se insere na campanha “Salve os Recifes de Coral", da Fundação Mirpuri. De um lado, um azul escuro com corais destruídos e do outro um azul claro, a simbolizar o oceano imaculado, pedem a sustentabilidade dos mares.
O Airbus A380 pode transportar mais de 800 pessoas quando é configurado apenas para classe económica.
A Hi Fly, sediada em Lisboa, opera uma frota de 15 aeronaves Airbus em regime quase exclusivo de ‘wet lease’ – fornecimento de aviões com tripulação, manutenção e seguros. Entre os clientes da Hi Fly encontram-se a TAP, Corsair e Norwegian.
Contactada, a companhia não se pronunciou de imediato, a tempo da publicação do artigo. Aeroporto de Beja pede mais.
Em declarações à rádio Voz da Planície, que avançou em primeira-mão com a "visita" do A380 a Beja, Bruno Ferreira, do Movimento Beja Merece+, afirma que o acolhimento do A380 prova a capacidade do aeroporto de Beja, e aproveita para reclamar melhores acessos terrestres para o mesmo.
Há apenas dois dias, também o PCP/Alentejo insistia num comunicado enviado à agência Lusa que é importante a "potenciação" deste aeroporto numa altura de saturação e esgotamento para os outros aeroportos nacionais.
Nos primeiros três meses do ano, Beja só recebeu 29 passageiros, avançou o Expresso, sendo que em Fevereiro este aeroporto recebeu a visita de um único passageiro. Dado o congestionamento em Lisboa, já estão a ser transferidos desde Junho para este polo alentejano, voos com destino às Canárias que deviam partir da capital.
Ainda no início deste mês, foi anunciado que o Governo e ANA vão unir esforços para promover aeroporto de Beja junto dos operadores turísticos. Vai ser lançada uma campanha que procura atrair operadores que organizam viagens ponto a ponto para Beja, oferecendo a competitividade da infra-estrutura já a partir do próximo Verão IATA.
O ano passado, a ANA, concessionária do aeroporto de Beja, assumiu que este serve quase só para estacionamento e manutenção de linha de aviões de algumas companhias aéreas. Isto, quando o valor do investimento ascendeu aos 33 milhões de euros e foi inaugurado há sete anos.
Todos os restantes aeroportos nacionais não têm capacidade para receber aparelhos com a envergadura do A380. Tal só deverá ser possível em Lisboa a partir de 2021, ano previsto para a conclusão das obras de adaptação do aeroporto Humberto Delgado.

In https://www.jornaldenegocios.pt

Mudanças

O Valor Acrescentado Bruto (VAB) da agricultura cresceu 6,5%, em termos nominais, em 2017, após uma redução de 1,5% em 2016, com os pomares a apresentarem "excelentes produções", com registos recordes de maçã, cereja, kiwi, laranja e amêndoa. São mudanças positivas no tradicional Alentejo.

quinta-feira, julho 19, 2018

Aeroportos

Aeroporto Internacional de Beja

" O A380 só não pode operar em Lisboa por causa da manga".
Vamos lá colocar um ponto final no mito da manga. Com manga ou sem manga, nunca um A380 pode operar em Lisboa. 
Mas perguntar-me-ão: Porquê?
Para isso peço um pouco de paciência e prometo ser rápido e o mais assertivo possível.
A pista de Lisboa tem menos de 3000 metros de TORA, (Take Off Runway Available) ou seja, de pista útil para descolagem.
O avião A380 precisa de atingir a velocidade mínima de descolagem de 78 metros por segundo, para o que precisa de mais de 3100 metros de pista se tiver a carga máxima que é 575 toneladas, e se todas as condições de vento , temperatura, pressão atmosférica e humidade estiverem nos parâmetros ideais. Coisa que apenas acontece quando o rei faz anos.
Mas o mais importante, além do factor limitativo do PCN da pista de Lisboa, ou seja a capacidade de absorver o embate e pressões de 575 toneladas a poisar, é a largura da pista principal do Aeroporto de Lisboa.
Tem apenas 45 metros de largura útil marginado por cinco metros de cada lado e com essa largura, os 80 metros de envergadura de asa do A380 ficam de fora da pista!
O problema é que assim, quando se lhe exige o máximo de potência para a descolagem, os reactores exteriores aspiram tudo o que é pó, terra e pedras e outros inertes que se encontram no exterior da pista, fenómeno que conduz à evidente destruição das turbinas.
Em Lisboa poisam e levantam A330, 60 metros de envergadura, os Boeing 747 e 777 com 60 e 61 metros de envergadura, mas mais do que isso não.
Beja, por outro lado, tem 3500 metros de "runway" disponíveis, numa pista de 4000, toda com a mesma qualidade, e a largura da pista é 60 metros úteis marginados por mais 15 metros de cada lado, o que perfaz 90 metros.
Isto oferece ao A380 10 metros de margem aos seus 80 metros de envergadura, o que confere toda a segurança aos reactores do avião.
Outros elementos de segurança como um ILS e DVOR num ambiente livre de interferências, uma pista extremamente robusta, com espaço para crescer, um "clearway" enorme e securíssimo etc.
Beja não tem nevoeiros, não tem constrangimentos de espaço aéreo, não tem stresses nem horas infinitas de espera e adiamentos de voos. Beja é uma boa solução, assim a liguem depressa à A2 acabando o que falta na A26. Posta a funcionar a 100% poupa ao país mais de 2000 milhões (ou mais) do disparate suicidário de Montijo.

E por fim, Beja não tem mangas para o A380 nem isso faz qualquer falta ao avião. Tem sim a MELHOR PISTA DE PORTUGAL.

domingo, julho 15, 2018

Campeões


Amendoeiras


Será com investimento de entre 150 a 200 M/€ em amêndoas que investidores norte-americanos, vão criar uma mega plantação de amêndoa no Alentejo.
O grupo Route One Investiment Company gere cerca de 2000 milhões de euros e vai investir no Alqueva, após dois anos de negociações e, no final do ano passado já foram plantadas amendoeiras em Alvito e Aljustrel e o objetivo é chegar aos 4 mil hectares de plantação até 2020. Além das plantações, perto de Évora, estão a ser desenvolvidas duas unidades de transformação e que, em agosto, já estarão prontas para receber e transformar a campanha de 2018.
Um administrador da empresa norte-americana disse ao Expresso que este será um investimento para cerca de 20 anos e que chegam a Portugal vindos da terra conhecida como a que produzia as melhores amêndoas do Mundo, a Califórnia, mas que, nos últimos anos, tem passado por uma seca que provocou uma quebra na produção. No Alqueva, em regadio e em sistema intensivo, um hectare de amendoal pode dar cerca de 2 toneladas de amêndoa, enquanto em sequeiro dá 120 quilos.