segunda-feira, outubro 02, 2017

Gatinhos

segunda-feira, setembro 25, 2017

Ditos alentejanos (1)


Divisas

Como bom português só tenho a agradecer a esse pessoal as divisas que deixaram no meu País. Não me interessa a origem das mesmas...

http://www.midiamax.com.br/politica/advogado-irmaos-batista-curte-festa-60-anos-palacio-lisboa-354516

sábado, agosto 12, 2017

Raposo Tavares

O Brasil fez-se enorme com este herói/vilão dos confins do Alentejo
António Raposo Tavares nasceu numa pequena aldeia de Mértola em 1598 e daqui partiu com 20 anos rumo ao Brasil para realizar a primeira expedição de reconhecimento geográfico entre o Atlântico e a cordilheira andina, o trópico de Capricórnio e o Equador. Percorreu 12.000 quilómetros.
PUB
O Brasil nasceu modesto comparativamente com o território que hoje ocupa. A parte que cabia a Portugal, fruto da divisão imposta pelo Tratado de Tordesilhas, não passava de uma faixa de terra ao longo do litoral atlântico com 2,8 milhões de quilómetros quadrados de superfície. Mal o acordo entre os monarcas ibéricos foi selado, a pressão castelhana procurou anular a presença portuguesa na América do Sul. A resposta foi dada por aventureiros, que se embrenharam mata adentro para estender as fronteiras o mais longe possível da costa. Nesta imensa empreitada destacou-se um português nascido numa pequena aldeia do Alentejo profundo e que ajudou a criar o quinto maior país do mundo. 
PUB
Esses grupos de exploradores, conhecidos por bandeirantes, saíam, entre os séculos XVI e XVIII, do planalto de Piratininga, onde hoje emerge a cidade de S. Paulo, e rumavam ao desconhecido, por sua conta e risco, para materializar o alargamento dos limites territoriais do maior país da América do Sul . Hoje, a nação brasileira cobre uma superfície com 8,5 milhões de quilómetros quadrados. 
António Raposo Tavares, que nasceu em 1598 em S. Miguel do Pinheiro, uma pequena aldeia do concelho de Mértola, junto à fronteira com o Algarve, “foi o maior de todos os bandeirantes”, assinala o historiador português Jaime Cortesão na sua obra “Raposo Tavares e a formação territorial do Brasil”, editada em 1958.
Entre a luz e a sombra
Nascido no seio de uma família suspeita de seguir a estrela de David, “o mais temível dos bandeirantes” era judeu cristão-novo e tivera problemas com a Inquisição, pormenor que explicará a sua permanente oposição à autoridade eclesiástica, como veio a revelar o percurso da sua vida.
Órfão, ainda criança, de mãe cristã-nova, viveu até aos 18 anos com a madrasta, também ela várias vezes presa pela Inquisição sob a acusação de "judaísmo". Anita Novinsky, professora na Universidade de S. Paulo, consultou na Torre do Tombo documentos que diz comprovarem a ascendência judaica de boa parte dos bandeirantes, entre eles Raposo Tavares.
O pai, Fernão Vieira Tavares, partidário de D. António Prior do Crato, administrava os dinheiros da Santa Sé gerados em Portugal até que foi acusado de ter “desfalcado o papado, pelo que acabou por perder todos os seus bens”, descreve o historiador António Borges Coelho. As contingências de uma vida atribulada forçaram-no a uma carreira no Brasil, para onde parte em 1618, a convite do conde de Monsanto donatário da capitania de S. Vicente. O filho, que já completara os 20 anos, acompanha-o.
A faceta rebelde de Raposo Tavares só viria a revelar-se após a morte do pai em 1622. Nessa altura residia num pequeno lugarejo no planalto de Piratininga, onde hoje se localiza a cidade de São Paulo, fundada pelos jesuítas em 1554. Foi ali que nasceu todo o seu entusiasmo e aptidão pelo principal modo de vida paulista: formar expedições para escravizar índios que viviam nos territórios na posse de Castela.
As actas da câmara de S. Paulo, em 1627, já denunciavam o jovem nascido no Alentejo “como amotinador do povo”, acusado de “matar e escravizar índios, espalhando sangue e desolação”.
Alberto Luiz Schneider, professor na Universidade de S. Paulo que integrou uma delegação de académicos brasileiros na visita que efectuaram a Beja e Mértola em 2012, para homenagear o bandeirante, descreveu ao PÚBLICO os contornos da polémica que sempre marcaram a vida de Raposo Tavares. “Talvez os portugueses não saibam como o tema veio a revelar-se um dos mais espinhosos na história do Brasil”, começa por dizer o docente. E explica: De um lado, está “o assassino responsável por massacres e a escravidão de milhares de índios na sequência da mais despudorada e desumana barbárie”. Do outro, sucedem-se as descrições do herói que desbravou o sertão brasileiro no meio de sofrimentos indescritíveis, “revelam uma personalidade marcada pela bipolaridade, entre a lenda negra e a lenda dourada, entre a luz e a sombra, sempre numa óptica radical.”
Um mundo dividido ao meio
A esta faceta entre o herói e o vilão sobrepõe-se a outra componente no ideário de Raposo Tavares que se generalizou nos meios académicos brasileiros há várias décadas: o fenómeno bandeirante. É, fundamentalmente, de natureza territorial e consequência directa da célebre linha imaginária, negociada entre os reis católicos de Castela e Aragão e D. João II de Portugal.
A 7 de Junho de 1494 foi assinado o Tratado de Tordesilhas que dividiu o mundo em dois hemisférios, por um meridiano traçado a uma distância de 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, deixando a Castela tudo que ficasse no Ocidente e a Portugal o que se situasse a Oriente. Estava criado o catalisador que anos mais tarde acabaria por determinar as motivações dos bandeirantes.
A localização nos mapas da linha imaginária que dividia os hemisférios “era um exercício de projecção conceptual que não levava em conta nem os aspectos físicos geográficos, nem a ocupação ameríndia do território”, observou Jaime Cortesão. Para além das dificuldades técnicas na definição do território português e espanhol, a divisão do continente “amputava a vasta unidade geográfica e humana” entre os rios Amazonas e da Prata, e “não oferecia base suficiente e viável à formação de um Estado”, analisa o historiador português.
“Revela uma personalidade marcada pela bipolaridade, entre a lenda negra e a lenda dourada, entre a luz e a sombra, sempre numa óptica radical.”
Alberto Luiz Schneider, Universidade de S. Paulo
Com efeito, os espanhóis procuravam situar o meridiano de Tordesilhas de forma a reduzir o mais possível o hemisfério da soberania portuguesa, numa tentativa para afastar a sua presença da América do Sul.
Jorge Pimentel Cintra, da Universidade de S. Paulo, outro dos docentes que se deslocou ao Alentejo, realçou um dos argumentos a que a “sageza dos portugueses” mais recorria para cercear os ímpetos da ocupação espanhola: “Onde está a linha que não a vejo?”
Associada à questão territorial, ainda se impunha a questão económica porque não havia quaisquer riquezas minerais no planalto de Piratininga. A pequena povoação de São Paulo vivia de uma agricultura quase de subsistência e do fornecimento de escravos índios capturados, chamados “negros da terra”, para trabalhar nos engenhos do açúcar e nas plantações de cana, no nordeste brasileiro.
Caça aos índios e jesuítas
A rapidíssima expansão da produção desta cultura pressionou a procura de mão-de-obra e impulsionou o tráfico negreiro, sobretudo depois da ocupação holandesa durante a primeira metade do século XVII. Faltavam braços para a




indústria açucareira e a alternativa residia na intensificação da caça ao índio, transformando S. Paulo na base mais activa dos bandeirantes.
Foto
É neste contexto que Raposo Tavares parte na sua primeira bandeira com uma centena de paulistas e 2000 índios, comandada por Manuel Preto. Decorria o ano de 1629. Esta incursão foi preparada para destruir os grandes aldeamentos criados pelos jesuítas para concentrar e catequizar os índios. Estavam localizados na região do Guairá, a sul de S. Paulo, no actual estado do Paraná.
A expedição iniciou o processo de expulsão dos jesuítas espanhóis e, consequentemente, a ampliação das fronteiras do Brasil, assegurando a posse dos territórios dos actuais estados do Paraná, de Santa Catarina e de Mato Grosso do Sul. Seguem-se as razias comandadas por Raposo Tavares nos aldeamentos de índios a sul do Mato Grosso e no norte do Rio Grande do Sul.
Jorge Pimentel Cintra consultou uma carta escrita por um jesuíta contemporâneo do “grande bandeirante” em que este sentencia: “Temos de vos expulsar (os jesuítas) de uma terra que é nossa e não dos de Castela”. Raposo deixava claro ao que vinha: assegurar a presença portuguesa face à ameaça da supremacia castelhana.
Entre 1629 e 1632, as forças por si comandadas invadiram e destruíram todos os aldeamentos de índios, no Guaíra, aumentando o território do Brasil entre o sul de S. Paulo e o Rio da Prata.
“Era mesmo a questão territorial” que dominava a vontade de Raposo Tavares mas “foi tanta a destruição das feitorias jesuítas que até a gente vai sentindo uma dor no coração”, confidenciou o académico brasileiro. 
Raposo Tavares vai percorrendo os sertões do interior amazónico “assegurando a presença portuguesa face à ameaça castelhana”, descreve Jaime Cortesão que associa a escalada das bandeiras à “insurreição latente” iniciada em 1634 no Alentejo e no Algarve. Os revoltosos que se insurgiam contra o domínio filipino eram “brutalmente esmagados” pelo exército espanhol que invadiu Portugal em 1638. É neste contexto revolucionário que as expedições do bandeirante se situam.
“Era mesmo a questão territorial” que dominava a vontade de Raposo Tavares mas “foi tanta a destruição das feitorias jesuítas que até a gente vai sentindo uma dor no coração”, confidenciou o académico brasileiro.
A mando de D. João IV
O historiador português realça “um paralelismo profundo e evidente entre as causas e efeitos do que se passa na Península Ibérica e nas duas Américas, lusa e castelhana, entre 1630 e 1640”, ano da restauração de Portugal, que veio dar novo rumo às actividades de Raposo Tavares. As suas incursões no sertão brasileiro culminariam com a última e maior expedição da sua vida: a chamada bandeira de limites.
Em 1647, um ano antes do arranque da grande operação que iria definir grande parte do actual território brasileiro, Raposo Tavares “terá estado em Portugal” e D. João IV tê-lo-á "encarregado de uma missão em grande parte secreta", presume Jaime Cortesão. A expedição tinha como objectivo descobrir metais preciosos mas a outra motivação para a jornada, mantida em segredo, passava pelo estabelecimento dos limites territoriais do Brasil para oeste da linha de Tordesilhas.
Cortesão conta que o padre António Vieira, contemporâneo e confidente dos bandeirantes, descreve ao padre provincial do Brasil pormenores da bandeira de Raposo Tavares: “No ano 1648 partiram os moradores de S. Paulo ao sertão, em demanda de uma nação de índios, chamados os serranos, com intento de, ou por força ou por vontade, os arrancarem das suas terras e os trazerem às de S. Paulo e aí se servirem deles como costumam.” Mais adiante, o padre jesuíta descreve a constituição dos expedicionários: “Constava todo o arraial de 200 portugueses e mais de mil índios de armas, dividido em duas tropas. A primeira governava o mestre de campo António Raposo Tavares e a segunda o capitão António Pereira.”
A bandeira internou-se de tal modo no interior amazónico que se encontrou com os castelhanos no Peru. Mas antes de lá chegar cortaram planaltos, que os obrigaram dezenas de vezes a puxar os batelões e as cargas que transportavam à corda ou à vara por terra. “Atravessaram pantanais mortíferos, rasgaram picadas na selva, onde o índio, a onça e a cobra espreitavam. A lama transformou-se em abismo e afoga os homens”. Os mosquitos formavam nuvens. Depois do pantanal, surge a savana “sem fruto ou água para molhar a goela ressequida”. A fome era extrema. Encontravam nas “raízes e nos frutos agrestes das árvores o maior regalo dos enfermos. Os que restam tremem de febre, devorados pela doença”, descreve o padre António Vieira.
“Atravessaram pantanais mortíferos, rasgaram picadas na selva, onde o índio, a onça e a cobra espreitavam. A lama transformou-se em abismo e afoga os homens”. Os mosquitos formavam nuvens. Depois do pantanal, surge a savana “sem fruto ou água para molhar a goela ressequida”. A fome era extrema. Encontravam nas “raízes e nos frutos agrestes das árvores o maior regalo dos enfermos. Os que restam tremem de febre, devorados pela doença”
Padre António Vieira
Começa a escalada dos Andes, uma das mais altas cordilheiras da Terra. A neve e o vento gélido tolhem para sempre o corpo dos que ficaram feridos. Deixam pelo caminho e em farrapos a pouca vestimenta que ainda traziam no corpo. O mais indomável e feroz dos índios, o chiriguano, não lhes dá tréguas.
Desceram em jangadas os rios Guaporé, Mamoré e Madeira para entrar no Amazonas, navegaram durante 11 meses sem saber onde se encontravam, até chegarem à foz na cidade de Belém no Pará. Depararam-se com os “estarrecidos soldados” do posto militar ali instalado, perplexos com o aspecto dos exploradores. Só então estes conhecem a sua localização.
Depois de terem atravessado o Mato Grosso, a Bolívia, o Peru e a Amazónia, percorrendo mais de 12.000 quilómetros, os sobreviventes da épica travessia pela floresta amazónica retornaram a São Paulo “esquálidos, famintos, esfarrapados, o cabelo e a barba hirsuta, mais parecendo fantasmas ou bichos que seres humanos.” Raposo Tavares chegou “tão desfigurado à sua casa, que nem parentes nem amigos o reconheceram”, reporta Jaime Cortesão. 
Nos três anos e alguns meses que durou a odisseia, apenas 59 brancos e alguns índios concluíram o titânico périplo.
Debilitado por sucessivas lutas e caminhadas no sertão, o mais famoso bandeirante faleceu em 1656, poucos anos depois de concluída a célebre bandeira dos limites, “virtualmente abandonado, talvez até pobre” refere o historiador português.
Missão falhada
“O grande descobridor do Amazonas” que Vitorino Nemésio comparou a Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral e Fernão de Magalhães, “o homem ocidental que empreendeu e executou uma das maiores explorações de todos os tempos”, era totalmente desconhecido até ao início do século XX, tanto em Portugal como no Brasil.
ENRIC VIVES-RUBIO
A identidade de Raposo Tavares só foi descoberta em 1905 quando o então presidente da República do Brasil, Washington Luiz, decidiu ordenar a elaboração da biografia do bandeirante nascido no Alentejo.
Jaime Cortesão associa o “estranho silêncio” ao malogro da expedição do ponto de vista dos objectivos que mais interessavam a D. João IV: o descobrimento de minas de prata. A difícil situação financeira, económica e social com que se debatia o reino em guerra com Espanha após a restauração da independência em 1640 fez alimentar no monarca “ a esperança do descobrimento de outro Potosi” (mina de prata que os castelhanos tinham descoberto no Perú).
E aponta ainda a influência “dos filhos de Inácio Loyola com a conivência dos dirigentes da nação portuguesa que consideraram Raposo Tavares inimigo da Companhia de Jesus” para justificar o seu esquecimento. Na luta que sustentou com os jesuítas portugueses e castelhanos, encarnou e defendeu o princípio da supremacia da jurisdição civil sobre a eclesiástica, recusando-se a subalternizar a soberania nacional a qualquer hierarquia religiosa. 
Seja como for, António Raposo Tavares é hoje considerado um dos grandes construtores do Brasil e inúmeros escritores, sociólogos, historiadores e professores deste país continuam a escrutinar a vida e a acção do bandeirante nascido no Alentejo. Hoje, no maior país da América do Sul são inúmeras as praças, estradas, museus, escolas e outras instituições públicas e militares a que foi dado o seu nome. O sistema de ensino destaca-o nos manuais escolares e os académicos continuam a discutir a “lenda dourada e a lenda negra” que envolve a sua personalidade.
Ignorado no Alentejo
A historiografia brasileira sempre atribuiu a violência dos paulistas à cobiça por metais e pelos índios para escravizar. Sem excluir esses interesses, Anita Novinsky, que pesquisou durante anos na Torre do Tombo, descortinou nos documentos consultados uma “forte razão ideológica” nas motivações dos bandeirantes. A esmagadora maioria deles tinham membros da família nos cárceres inquisitoriais. O Tribunal do Santo Ofício da Inquisição que funcionou em Lima, hoje capital do Perú, “condenou 80 pessoas, 64 por judaísmo, entre 1635 e 1639, no auge do bandeirismo”, revela a investigadora. 
A memória do bandeirante falecido em São Paulo, em 1658, só viria a ser resgatada, no Alentejo, em 1966 por iniciativa das autoridades paulistas, que ofereceram à cidade de Beja uma obra escultórica que está exposta na única praça da região que ostenta o seu nome.
É frequente o cidadão comum olhar a figura de bronze, com cerca de três metros de altura, como sendo um monumento aos caçadores, dada a pose escolhida pelo autor brasileiro. Não se conhecem outras iniciativas que a Câmara de Beja ou de Mértola, antes ou depois do 25 de Abril, tivessem realizado para divulgar a história de Raposo Tavares. 
A omissão continua a ser mantida e o mais famoso bandeirante do Brasil é quase um desconhecido na cidade de Beja, apesar da estátua. Nem na terra onde nasceu, em S. Miguel do Pinheiro, se sabia que era dali natural até que a delegação de académicos brasileiros da Universidade de S. Paulo, convidados pelo Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja e a Agência Regional de Turismo do Alentejo ali se deslocou em 2012 para descerrar na capela onde se julga que o bandeirante terá sido baptizado uma placa com a seguinte frase: “Como Vasco da Gama em relação ao Índico, ou Fernão de Magalhães ao Pacífico, Raposo Tavares mediu a sua grandeza por dois dos maiores padrões da Natureza: os Andes e o Amazonas."

In Público (Lisboa)

quinta-feira, julho 06, 2017

Biodiversidade

A fórmula certa para recuperar solos pobres foi criada por portugueses

Vinte variedades de plantas dão nova vida a solos. As Pastagens Semeadas Biodiversas sugam mais dióxido de carbono do ar, enriquecem a terra e alimentam o gado. Projecto ganhou prémio europeu ambiental.
Os agricultores precisam de ver para crer, diz-nos Tiago Domingos. O professor de engenharia ambiental do Instituto Superior Técnico, em Lisboa, e director da empresa de serviços ambientais Terraprima conseguiu que mil agricultores lhe dessem ouvidos. Hoje, em Portugal, há muitos terrenos onde as pastagens biodiversas crescem. A maioria está nos montados alentejanos, fortalecendo os sobreiros e prestando um serviço ambiental a todos.Estas pastagens capturam uma quantidade anormal de dióxido de carbono, evitando a acumulação de parte do gás que mais contribui para o efeito de estufa, responsável pelo aquecimento global. Essa foi uma das razões para o projecto da Terraprima Pastagens Semeadas Biodiversas ganhar o concurso da Comissão Europeia "Um Mundo Que me Agrada", entre os 269 projectos concorrentes.Sempre que Tiago Domingos fala sobre este projecto, o nome de David Crespo surge imediatamente. No púlpito do Teatro Real Dinamarquês, em Copenhaga, quando na quinta-feira à noite lhe foi atribuído o prémio, voltou a contar a história do engenheiro agrónomo que, na década de 1960, começou a pensar nas pastagens biodiversas.David Crespo é hoje director do programa de investigação e desenvolvimento da Fertiprado, a empresa que fundou em 1990. Em 1966 trabalhava na Estação Nacional de Melhoramento de Plantas. Inspirado pelas pastagens que os australianos semeavam, onde utilizavam duas ou três variedades de plantas, o engenheiro começou a pensar como poderia resgatar os solos pobres portugueses."Em Portugal temos imensos solos diferentes. No mesmo hectare, cada pedaço de terra muda", explica Tiago Domingos. Os topos dos montes são mais secos e têm menos solo, a terra debaixo das copas das árvores é mais húmida. A geologia, fundamental na natureza dos solos, é variada no território português.David Crespo pensou numa solução holística. O engenheiro agrícola desenvolveu uma fórmula de 20 variedades diferentes de plantas que, quando semeadas, respondem localmente. Algumas tornam-se mais dominantes consoante as condições da terra onde crescem.O cientista escolheu espécies de leguminosas e de gramíneas. As primeiras, como o trevo-subterrâneo, têm uma relação simbiótica com bactérias que se desenvolvem em nódulos nas raízes. Estas bactérias captam azoto do ar, metabolizam e disponibilizam o azoto à planta. Desta forma, este nutriente entra no ecossistema sem ser necessário usar adubos, é depois absorvido pelas gramíneas, que se tornam uma parte importante do pasto dos animais.Esta mistura tem uma série de benefícios. Como as espécies são anuais, resistem ao clima mediterrânico, produzem sementes e criam no solo um banco de sementes que pode manter a pastagem por décadas. As raízes das plantas, que também morrem anualmente, alimentam o solo com nutrientes.Passados uns anos, estes solos triplicam a matéria orgânica. As pastagens alimentam mais cabeças de gado e captam mais dióxido de carbono. Também se verificou que os sobreiros que crescem nestas pastagens são mais saudáveis, e o solo é mais húmido, resistindo à seca.Estes benefícios foram bem quantificados na última década pela equipa de Tiago Domingos. Foi assim que se descobriu que as pastagens biodiversas captam cinco toneladas de dióxido de carbono por ano por hectare.A partir de 2008, a Terraprima obteve financiamento do Fundo Português de Carbono (FPM) para três projectos que envolveram mil agricultores. Estes tinham de comprar sementes para a pastagem, de aceitar cuidar delas segundo as regras da Terraprima e recebiam o apoio dos seus técnicos. Desta maneira, podiam ganhar entre 150 e 130 euros por hectare, pelo dióxido de carbono que as suas pastagens captam. É uma ajuda que seduz os agricultores, mas o trabalho só compensa a longo prazo, com todos os outros benefícios.Os projectos do FPM já terminaram, mas Tiago Domingos espera envolver empresas para assim compensarem as suas emissões e a indústria alimentar para que os alimentos produzidos nestas pastagens tenham uma marca distintiva. O prémio europeu "pode ajudar a expandir este sistema dentro de Portugal e em muitos países".

domingo, maio 28, 2017

Orelhas de Abade

Os doces conventuais são verdadeiros pecados gastronómicos, fartos em ovos, açúcar, frutos secos e amêndoas. As Orelhas de Abade, conhecidas no Brasilcomo Orelhas de Frade, são um destes doces de origem conventual, com nomes que lembram a igreja católica.
Estes fritos tradicionais da época natalícia integram o património da cozinha portuguesa e consistem numa massa com ovos que, depois de frita, é envolvida em mel ou calda de açúcar e polvilhada com canela. A fritura faz a massa abrir e dá-lhe o formato de orelha característico.
Ingredientes:
Para a massa
·         15 g de fermento de padeiro
·         500 g de farinha de trigo
·         60 g de manteiga
·         8 ovos
·          
Para a cobertura
·         mel ou calda de açúcar q.b.
·         canela em pó q.b.
·          
Confeção:
Amasse muito bem todos os ingredientes e deixe levedar, em local ameno, durante 2 horas.
Passado o tempo de levedura, deite a massa numa superfície lisa, polvilhada com farinha, e estenda-a com o rolo até ficar muito fina.
Corte pequenas porções de massa com cerca de 1 palmo de comprimento e meio de largura. Ponha a fritar em óleo quente e dê-lhes logo a forma de orelha, dobrando a massa com um garfo.
Depois de fritos, passe os bolinhos por mel ou calda de açúcar e polvilhe com canela.

sexta-feira, maio 26, 2017

Vinhos Especiais

O melhor vinho tinto blend do Mundo. Classificação da conceituada revista "Decanter". É produzido na cidade de Estremoz, minha terra, por Tiago Cabaço Winery.☑️

terça-feira, maio 23, 2017

Ataúro

O jornal britânico The Guardian, num estudo feito pela Conservation International, revela que as águas em torno da Ilha de Ataúro, em Timor-Leste, têm a maior biodiversidade do Mundo.  Os Investigadores, encontraram 642 espécies diferentes nos recifes de coral dessa ilha, mas alertaram que toda esta riqueza está em risco.



A descoberta incide no encontro 314 espécies diferentes — algumas delas poderão ser totalmente novas, e outras são muito raras. Sendo um recorde que constava antes na Papua Nova Guiné, que tinha uma média de 216 espécies em cada local analisado.

Embora a notícia seja boa, os investigadores consideram a existência de ameaças dado que “outros locais mostram, tristemente, as cicatrizes de um legado de pescas com explosivos, e dos surtos de estrelas do mar de coroa-de-espinhos”. Uma conservação organizada e um esforço na gestão das pescas poderá regenerar as partes danificadas dessa biodiversidade.

Existe uma solução: transformar toda a Ilha de Ataúro uma área marítima protegida, e a pesca ser apenas permitida aos habitantes locais. A Conservation International prometeu propor aos organismos competentes de Timor-Leste que a Ilha e as águas se tornem numa região protegida para salvaguardar a sua biodiversidade.



Com o apoio dos habitantes da Ilha de Ataúro e do Ministério da Agricultura e Pescas, a Conservation International irá submeter um pedido para que toda a ilha e as suas águas passem a ser áreas protegidas” – afirmou Trudiann Dale, diretora da organização naquele país lusófono.

Madona em Portugal

Depois de passar a última semana em Lisboa, a cantora pop Madonna aproveitou esta segunda-feira para visitar o Alentejo, e parar em Beringel onde juntamente com os filhos partilhou a roda de oleiro com António Mestre. Este ficou bastante surpreendido com a visita mas ainda mais com a habilidade de Madonna a trabalhar as peças de de barro. O entusiasmo foi tanto que a cantora e o mestre Oleiro irão em conjunto criar uma fábrica de peças para exportar para todo o mundo.