sexta-feira, novembro 29, 2013

O Tijolo

Quem, na sua juventude, nunca marcou o seu nome com um canivete no tronco de uma árvore? Ou um coração com a flecha do Cupido e o seu nome e o do seu amor? Também nas paredes ou qualquer outro lugar? Acho que todos nós fizémos isso pensando ficar naquele lugar um registo para a posteridade, ignorando que com o correr do tempo tudo se apagaria. Mas, nem tudo o vento levou...
Há 53 anos era assim e eu assinalo esta data exacta porque foi precisamente nos meus 15 de idade, em 1960, que eu esculpi o meu nome num tijolo do muro de um jardim da cidade onde morava -- Évora (Portugal).
Pela sequência das fotos que ilustram a postagem temos o Jardim Diana com o templo romano do mesmo nome ao fundo. Depois uma escultura em mármore encimando o chafariz. Atrás desta está o muro extenso que limita o jardim. Um muro com os tijolos do parapeito sem reboco. E num desses tijolos lá está, ainda, o meu nome "Cláudio" resistindo às intempéries. Vê-se perfeitamente legível na imagem.
No passado Verão europeu voltei a Évora e lá passei 3 meses. Alguns dias parei por ali olhando lá de cima o estender da cidade e matando a sede no barzinho do jardim. Mil pensamentos, recordações e emoções vivi.
Um dos pensamentos foi num dos momentos em que olhava para aquele tijolo. Incriminava-me eu próprio por ver aquilo hoje como um desrespeito para com a coisa pública e a marcação nas árvores como um atentado contra a Natureza. Sei que nos dias de hoje se fazem coisas muito mais graves e de maiores proporções, desde as pixações ao quebra-quebra. Porém, apesar dos pesares, lá está mais uma marca na cidade-museu e só eu sei o quanto de história aquele tijolo transpira...


1 comentário:

Bernardino Barnabé disse...

Cláudio, li o texto e apreciei as fotos que o ilustram. Com isto, reavivas-te as minhas memórias daquele Jardim, onde estive muitas vezes, sózinho e acompanhado de Amigos. Os anos passaram e, as fotografias que lá tirei desapareceram, não sei como. Estou a lembrar-me que de algumas faziam parte o Manuel Galinha, o Manuel Bento Ilhéu Domingos (falecido em combate na Guiné) e outros. Quanto a inscrições que fizemos em diferentes locais, recordo-me de ter feito algumas nas Carteiras da EICE - Santa Clara, para chamar a atenção da miúda que a seguir a mim, se iria lá sentar. Enfim, coisas muito próprias dos jovens, que agora nos dão algun gozo revivermos. Abraço do "Velho" Barnabé